domingo, 2 de outubro de 2011

Capítulo7– Apaixonado e muito bem comprometido

22/09/2010, Quarta.

15:00 - Saída da escola.

-Como é que correu ontem com o Miguel?

 -Até correu bem… Ele foi super querido para mim. Não falou do JP e estava sempre a animar-me.

-Que bom! Eu disse-te que ele era boa onda.

-Pois é. Então e tu? Quando é que pensas voltar com o Nando?

-Pois… É complicado…

-Espera… Se calhar estou a perguntar pelo rapaz errado… Não me digas que tu e o Rafael finalmente se entenderam?!

-É mais ou menos isso…

-Pois, vê-se ao longe que vocês se amam! E o que é que estás a pensar fazer em relação ao Nando?

-Ainda não sei bem…Eu não o quero magoar Di.

-Mas vais ter que lhe dizer, mais cedo ou mais tarde.

-Eu sei. Mas eu… (Sinto alguém a abraçar-me por trás e dar me leves beijos no pescoço)

-Mas ela não consegue viver sem mim.

(Virei me para trás e cumprimentei-o com um beijo assim que percebi que era o Rafa) – Como é que tu consegues aparecer sempre sem eu dar por isso? Fantasma pá!

-Faz parte dos meus encantos.

-Tão convencido que o meu primo é…

-Convencido mas tu gostas, não é mor?

-Parvalhão. (Estávamos a beijar-nos quando somos interrompidos pela Di)

-Hey pessoal! Tenham lá calma que eu ainda estou aqui. E para além do mais, aqui na escola todos sabem que vocês são primos, controlem-se.

-Tens razão, desculpa amiga.

-Então e tu quando é que fazes as pazes com o teu namorado?

(Instalou-se um clima pesado entre nós quando ele fez essa pergunta. E eu corri a tentar remediar a situação mudando de assunto)

-Rafa, tens que me ajudar a arranjar a minha bicicleta, a corrente está sempre a sair do sitio, e tu é que percebes daquilo.

-Ok, já percebi. (Notou-se uma certa culpa na sua voz)

-Não faz mal, Rafael. Eu tenho que me habituar a falar dele sem ficar assim…

-Mas desculpa a sério, eu estou sempre a dizer o que não devo. Vamos ali ao café, eu pago-vos um sumo.

-Eu não posso… Tenho que ficar aqui á espera do Miguel que eu combinei ir sair com ele.

-Ahh… Sei…

-E tu não me faças esse olhar que tu sabes que somos só amigos!

-Pois, por enquanto. Mas nós ficamos aqui contigo enquanto ele não chega.

-Nem penses! Vão se lá embora e arranjem um quarto!

-Até que enfim alguém que me entende… (Diz o Rafa em tom de brincadeira, levando de seguida uma cotovelada)

-Não lhe ligues…Ele tá parvo amiga. Mas de certeza que não queres que fiquemos?

-Não, ele deve estar a chegar.

-Ok. Beijinhos.

-Adeus, portem-se bem!

16:00 – Meu quarto.

Deitados na minha cama a conversar:

-Ainda tens esta cicatriz da queda de mota? (Tocando na cicatriz que ele tinha no joelho)

-Sim. Nunca mais saiu.

-Eu fiquei tão aflita quando o meu pai me disse que tinhas tido um acidente.

-Eu sei. Quando acordei estavas a chorar baba e ranho ao meu lado. (Rindo-se)

-Que graça! Olha que eu estava mesmo preocupada!

-Oh… Anda cá amor. (Beijou-me apaixonadamente enquanto percorria o meu corpo com as suas mãos quentes)

-Hmm... Es…Espera aí. Deixa-me trancar a porta.

-Tá alguém cá em casa?

-Não, mas é melhor prevenir. Se os nossos pais nos apanham outra vez estamos fritos.   (Levantei-me para trancar a porta ao mesmo tempo que tirava a camisola e as calças)

-Despacha-te… (Diz ofegante)

-Calma amor! (Estava a rir-me pois a chave caiu-me das mãos 2 vezes seguidas)

-Eláá! Isso é tudo nervos? Eu sei que eu sou irresistível, mas relaxa! (Brinca)

-Cala’te ó convencido! Pronto já está! (Corri na direcção da cama e bati com o joelho no armário, o que nos fez rir ás gargalhadas)

-Autch! Esta doeu.

-Ainda nem te toquei já estás com dores! (Disse com ar provocador)

-Palerma! (Mandei-lhe com uma almofada que ele apanhou e retribuiu, de repente estava no meio de uma luta de almofadas que acabou quando ele se levantou da cama e me agarrou pela cintura. Preguei-lhe uma rasteira e acabámos por cair os dois no chão. Senti as mãos dele nas minhas costas, a tirar-me suavemente o soutien. Por entre longos beijos e intensos olhares, deixámo-nos guiar pelo desejo que há já muito tempo sentíamos um pelo o outro.)

-Rafa?

-Sim?

-Eu amo-te.

-Eu também te amo. Muito.

Dia seguinte, escola:

-Rita, temos que fazer o trabalho de geografia C, fazemos amanha? Ao ver que eu estava distraída, repetiu:

-Rita? Acorda!! Estás a olhar para onde?

-Ali para baixo!! (Apontei para o fundo das escadas onde se encontrava o Rafa com uma rapariga) Aquela Catarina está-se a esticar! Olha ali! Está-se a atirar a ele á força toda!

-Pois, está um bocadinho… Mas tens que confiar nele.

-Eu nele confio. Não confio é nela.

-Olha, ela já se está a ir embora. Não é preciso ficares assim.

-Eu vou lá!

-Mas…(Antes que ela pudesse dizer alguma coisa já estava eu a descer as escadas apressadamente na direcção do Rafa)

-O que é que aquela piranha queria contigo?

-Já te disse que adoro quando tens ciúmes?

-Não mudes de conversa.

-Queria convidar-me para sair.

-E tu ainda dizes isso a rir!

-Queres que diga como? A chorar?

-O que é que tu respondeste?

-Que vou sair com ela, e que depois podemos ir para minha casa.

-Tu…O que?!

-Oh! Achas mesmo? Parva pá. 

-Ai é? Adeus! (Virei lhe as costas)

-Hey Hey, anda cá… (Abraçou-me por trás impedindo-me de ir embora) Eu só lhe disse a verdade. Que estou apaixonado e muito bem comprometido. (Virou-me de frente para ele, e sem dizer nada, beijei-o)

-Hello!! Meninos! Já tocou. Vêm? (Diz a Diana do cimo das escadas)

-Sim. Bora.

00:15 Meu quarto.

-Pst! Chegou a fada dos dentes.

-Eu tava quase a dormir oh trolha.

-Eu ainda tive a fazer um trabalho. Chega para lá oh gorda.

-Gorda é a tua estupidez oh!

-Já chega de insultos tá bem? Uma pessoa vem aqui para tu não teres frio durante a noite e tu tratas-me assim.

-Sim, sim! Conta-me histórias. Ouve lá, a fada dos dentes não entra pela chaminé?

-Não, isso é o pai natal oh! Tu queres é que eu queime o meu belo traseiro.

-O meu pai apagava-te o fogo á chapada se te visse chegar.

-Cala-te pá. Não quero ter pesadelos.

-Tadinho...Podes te abraçar a mim se tiveres medo.

-É? Eu tou cheio de medo…Mesmo!! Anda cá.

-Parvinho.

1 comentário:

  1. História perfeita
    Personalidades perfeitas
    TUDO PERFEITOOO *-*

    ResponderEliminar